Abafado. Quente. Um calor insuportável e um enorme sol no céu, lá fora. Cansaço e tédio… Trovão! Frio na barriga. Cheiro de poeira molhada. Chuva. E uma vontade me impeli. Corro para o quintal. Enquanto isso minha cachorra passa correndo pra procurar abrigo. Minha mãe vem saindo pra lavanderia quando me vê, já gritando. O que você está fazendo? Vim tomar banho de chuva oras! Você tá ficando louca? Não mãe, tá gostoso, vem também! Eu não… ei você vai ficar doente, sai daí já! Somente dou risada e continuo “dançando” com a música das gotas caindo. Chuva caindo. Água gelada. Corpo vivo, vibrante. Vestido molhado… Buzina! Meu pai chegou e saio correndo pra abrir o portão, logo que o carro entra, fecho o portão e saio correndo de volta pro quintal dos fundos, antes que ele me veja. O medo de menina das broncas que meu pai me dava de repente surgiu, mas não saí da chuva. Minha mãe novamente ainda gritando, agora para o meu pai. Olha lá essa menina, parece criança, parece que nunca viu chuva, depois se ficar doente quero só ver. Meu pai. Deixa ela. Nem sei porque depois disso entrei. Banheiro. Chuveiro. Água quente. Risos e pensamentos. Ouço as crianças no quintal ao lado. Estão rindo e brincando. Na chuva. Deve ser culpa dos gritos da minha mãe. O banho de chuveiro não durou muito, o de chuva também não, só o suficiente pra molhar o corpo todo. O suficiente pra Lavar… Toalha. Vestido seco. Leveza e pés descalços. Quando saí a chuva já havia passado, “ainda bem” porque senão seria obrigada a tomar outro banho de chuva. O calor voltou novamente. Só que agora tem um lindo arco-íris na minha janela.

Dois posts em menos de três dias, estamos presenciando um milagre a muito tempo não visto neste blog. =)

Anúncios